FILME PELÉ ETERNO

FILME PELÉ ETERNO
A prova definitiva de quem é o melhor jogador de sempre

terça-feira, 29 de março de 2016

Pelé, o Nascimento de uma Lenda, mais um filme de Hollywood onde o Rei é a estrela ( VÍDEO com o trailer do filme )


Depois de Fuga para a Vitória em 1981, onde Pelé, Sylvester Stallone, Michael Caine, Bobby Moore, Osvaldo Ardiles eram as estrelas principais ( foto abaixo) ...

...vem aí mais um filme de Hollywood onde ‘Pelé‘ é a estrela, e já tem trailer (veja abaixo).

A estréia a nível mundial será em Nova York, nos Estados Unidos, 
no próximo dia 6 de maio no Festival de Tribeca.




O filme ia estreiar antes da Copa do Mundo 2014 no Brasil, mas a produção enfrentou 
problemas e foi adiada.

A produção é de Brian Grazer, da série ‘24 horas ( com Kiefer Sutherland
e dos filmes Uma Mente Brilhante‘ ( com Russel Crowe ) e 
O Código Da Vinci’( com Tom Hanks
Pelé é um dos produtores executivos. 
O roteiro e a direção ficará por conta de Jeff e Michael Zimbalist.



Foram escolhidos dois atores novatos para interpretar o protagonista: Leonardo Lima (à esquerda) na infância e Kevin de Paula (à direita) na adolescência. 



Entre os nomes confirmados, estão Diego Boneta, Colm Meaney, Seu Jorge, Rodrigo Santoro, Vincent D’Onofrio, Marianna Nunes, Milton Gonçalves, Rafael Henrique, Marcus Vinicius, Julio Levy, Thelmo Fernandes e Felipe Simas.

Pelé visitou o set de filmagens em 2014
O filme conta a história do começo de carreira do jogador, desde sua infância pobre à consagração com a vitória na Copa de 1958. Pelé começou a jogar pelo Santos FC aos 15 anos, pela seleção nacional aos 16, e venceu sua primeira Copa do Mundo FIFA aos 17 anos. 



Apesar das numerosas ofertas de clubes europeus, as condições econômicas e as regulações do futebol brasileiro da época beneficiaram o Santos, permitindo-lhes manter Pelé por quase duas décadas até 1974.


O filme ainda não tem data de estréia no Brasil. Resta esperar:-)

sexta-feira, 25 de março de 2016

"Não posso ser um novo Pelé. Ele é o único que ultrapassa os limites da lógica." - Johan Cruyff 1947-2016


"Não posso ser um novo Pelé. Ele é o único que ultrapassa os limites da lógica." 
Esta frase é de Johan Cruyff, um dos melhores jogadores que eu vi jogar.
E a frase que ele disse abaixo, que na altura pareceu arrogante, é a mais pura das verdades:

"Os jogadores hoje só sabem chutar com o peito do pé. Eu podia chutar com o peito, de chapa e a parte de fora de ambos os pés. Em outras palavras, eu era seis vezes melhor que os jogadores de hoje."


Da esquerda para a direita: Carlos Alberto Torres, Beckenbauer, Cruyff e Pelé em Nova York em 1977, com o New York Cosmos. 
4 nomes que estão regularmente na maioria esmagadora das listas do melhor 11 de todos os tempos.
Quanto dinheiro custaria este quarteto nos dias de hoje???


Em Amsterdâ em 1999.
Sobre Cruyff já foi tudo escrito e tudo mostrado. Quem não leu ou não viu, leia e veja clicando em cima dos links em vermelho e verde acima.


Pelé e Cruyff em 1974.
Tal como Messi, CR7 e Neymar nos dias de hoje, Johan Cruyff, que faleceu hoje, 24/3/2016, aos 68 anos, também foi um dos muitos gênios do futebol que ao longo da história foi comparado a Pelé, e tal como nos dias de hoje, naquela época muitos diziam que Cruyff era "melhor que Pelé", "o melhor de todos os tempos", "o melhor da história" e etc, etc, etc,...

Realmente Cruyff foi um dos melhores da história do futebol, melhor jogador europeu do século XX, mas tal como Maradona, Eusébio, Di Stéfano, Romário e tantos outros, foram comparados ao Rei mas nunca conseguiram pelo menos chegar perto do patamar de Pelé.

A única vez em que se enfrentaram, foi no dia 1 de setembro de 1974 em Cadiz na Espanha, em jogo válido pelo troféu Ramon de Carranza, um mês antes do jogo de despedida de Pelé do futebol brasileiro. O Barcelona venceu o Santos FC por 4 x 1. Cruyff, tal como outros gênios do futebo como Zico, Puskas ou Di Stéfano, nunca teve a sorte de vencer uma Copa do Mundo, mas escreveu seu nome na história do futebol com letras de ouro.



Em sua página do facebook, o Rei do Futebol homenageou o craque holandês ( AQUI ).



Descanse em Paz, Johan Cruyff.

domingo, 20 de março de 2016

Em meio à guerra, museu de Pelé resiste na Ucrânia


Em meio à guerra, museu de Pelé resiste na Ucrânia

No centro de uma cidade do leste da Ucrânia se encontra o primeiro museu do mundo dedicado a Pelé, que sobreviveu milagrosamente a quase dois anos de guerra. O criador do acervo de Lugansk é um humilde senhor de 55 anos, que vê no Rei do futebol uma forma de divulgar a paz.
Estátua de Pelé em frente ao museu em Lugansk, Ucrânia.

Nikolai Hudobin, fundador do museu e Pelé
As portas do museu estão fechadas, mas o curador comparece todos os dias. Apesar dos dois anos de conflitos sangrentos no leste separatista da Ucrânia, o primeiro museu do mundo dedicado a Pelé, o rei do futebol, segue em pé em Lugansk.

Não é raro escutar o som de tiros na cidade, uma das 'capitais' dos rebeldes pró-Rússia, mas o museu, seus muros verdes e amarelos, nas cores da bandeira do Brasil, a estátua em bronze de Pelé e a imensa bola que decora a entrada parecem tirados de um sonho.



"O museu não abre há dois anos, desde o início da guerra. Havia bombas explodindo constantemente e tinha medo que uma caísse no museu", lembra o fundador e curador do museu, Nikolai Judobin, que define sua paixão por Pelé como "uma religião pessoal".

Pelé na Ucrânia em 1997.
"Acredito que Pelé é um Deus do futebol e este lugar é sagrado, é um templo do futebol", completa, sentado na sala principal.
Atrás estão expostos, entre outros objetos, um relógio de ouro dado de presente por Pelé ao jogador soviético Valentin Afonin, uma fotografia do ex-craque brasileiro quando visitou a estação espacial russa Mir e dezenas de bandeiras que possuem alguma relação com algum momento da carreira do eterno camisa 10 da seleção.

Nikolai abriu este museu para a Eurocopa-2012, que a Ucrânia sediou em conjunto com a Polônia, antes do início do conflito armado que assola o país. O 'templo' é apresentado como o primeiro museu do mundo dedicado exclusivamente a Pelé.

Museu Pelé na Ucrânia tem cerca de 3 mil peças.
"Somente duas cidades no mundo podem presumir ter um museu assim: Lugansk, na Ucrânia, e Santos, no Brasil. Mas lá o museu abriu dois anos depois que o nosso", sorri Nikolai.
Nikolai e o seu templo


"No dia da abertura do museu, o embaixador do Brasil me deu um forte abraço e chorou. Não conseguiu acreditar que, tão longe, em Lugansk, podia-se gostar tanto de Pelé", completa orgulhosamente.

"Minha família, Pelé e o trabalho é tudo que tenho na vida", continua Nikolai, um homem tímido de 55 anos que recentemente perdeu a esposa.


Sua admiração por Pelé faz Judobin imitar os hábitos do 'Rei', sem álcool nem cigarro: "Nunca bebi cerveja, porque Pelé tem um modo de vida saudável. Isso me inspirou".

A 'Pelemania' começou quando era criança e viu pela televisão o ídolo marcar o gol de número 1.000 na carreira, em novembro de 1969.

"Decidi juntar notícias sobre ele. Troquei minha bicicleta por uma fotografia de jornal do Pelé e dei sequência a essa coleção durante mais de 40 anos", explica Nikolai, que teve a oportunidade de se encontrar com Pelé em Moscou e no Brasil, chegando até a cortar o cabelo com o cabeleireiro pessoal do ex-craque.

Graças ao museu, as cidades de Lugansk e Santos ganharam um ponto em comum e Nokolai esperava então que Pelé pudesse viajar para ver com os próprios olhos seus tesouros particulares, mas a guerra entre as forças governamentais e os rebeldes separatistas pró-Rússia chegou, deixando mais de 9.000 mortos em quase dois anos.

Desde o início das hostilidades, Nokolai não escondeu seu apoio ao governo de Kiev, apesar da crescente influência das novas autoridades separatistas. 
Chegou a passar três dias preso no autoproclamada República Popular de Lugansk. 
O que o salvou? A reputação de seu museu.



"Não sou pobre. Queriam tomar meus bens. Exigiram os documentos de meu apartamento e chegaram até a simular uma execução com um tiroteio, mas logo descobriram quem eu era, tiveram medo do barulho que isso poderia causar e me deixaram voltar para casa", lembra.

Nikolai repete que Pelé  "salvou a sua vida", mas ainda não acredita ter chegado o momento de reabrir as portas do museu.


Seu sonho é poder transportar o conteúdo do museu ao Brasil e comprar em Santos uma casa onde possa viver com seu neto.

Nikolai espera também poder organizar uma exposição em Kiev, e diz: 

"Eu acredito que a imagem de Pelé pode contribuir para a reconciliação entre a capital e o leste rebelde". 


"Nunca peguei em armas e gostaria que estivéssemos novamente juntos e unidos", conclui, esperançoso.






CONHEÇA A HISTÓRIA DE NIKOLAI HUDOBIN, CRIADOR DO MUSEU PELÉ UCRANIANO.


O empresário ucraniano Nikolai Hubobin chegou nesta semana a Santos pela segunda vez distribuindo muitos sorrisos e uma simples palavra: Spasiba (“obrigado”, em russo, um dos idiomas oficiais do País).
A manifestação de agradecimento em visitar Santos novamente tinha um motivo – e muito justo. Ele é conhecido por ser o”craque” do Pelé FC – Futebol Clube ou Fã Clube, como preferir. Sua admiração pelo Pelé o projetou a criar um museu em homenagem ao Atleta do Século, eterno ídolo do Santos FC.
Nikolai com Pelé no Brasil
O museu em questão fica na cidade de Lugansk (com cerca de 445 mil habitantes) na Ucrânia, com um acervo de mais de 3 mil peças
Nikolai Hudobin foi um exímio colecionador durante 40 anos – no que podia economizar no dia-a-dia, guardava para comprar qualquer objeto vinculado ao jogador. Em exposição, é possível encontrar relíquias relacionadas a Pelé e ao futebol em geral. 
Os grandes destaques são  o pin comemorativo da Copa de 58, relógio presenteado por Pelé a Valentin Afonin, ex-zagueiro da URSS, e diversos objetos pessoais assinados pelo Rei.



Mas, afinal, como e quando surgiu tamanho fascínio por Pelé e, posteriormente, pelo Santos FC e pela Cidade, símbolos do Atleta do Século?
Milésimo gol
Era 19 de novembro de 1969. Hudobin tinha nove anos de idade. Pelé, por sua vez, tinha 20 anos a mais. No Maracanã, fazia seu milésimo gol em cobrança de pênalti contra o Vasco da Gama, vitória do Santos por 2 a 1. “Foi assim que passei a admirar Pelé. Aquele gol foi emocionante”, diz Hudobin. 
Mas a grande emoção de sua vida chegaria após 28 anos. Em 1997, Hudobin fez a “jogada” mais acertada de sua admiração pelo jogador brasileiro. Seu amigo russo, Guennady Efánov, ligou avisando que o Rei estaria em Moscou para uma apresentação da propaganda Café Pelé. Nikolai tinha 37 anos. “Quase desmaiei quando vi Pelé pessoalmente”, conta.
Quando percebeu que tinha uma quantidade considerável de objetos e arquivos relacionados ao seu ídolo, Nikolai Hudobin recebeu a ajuda de mais uma amiga: dessa vez, uma jornalista que entendia o idioma português, que levou a carta dele traduzida ao Rei. Nela havia a intenção e o pedido de autorização para que ele pudesse criar e inaugurar o Museu Pelé na cidade de Lugansk, na Ucrânia. Mesmo não falando o mesmo idioma, a atitude de Pelé foi genuína e sem necessidade de qualquer tradução: abraçou o fã da Europa Oriental. “Perdi a consciência por três minutos. Depois, ganhei um autógrafo”, disse Hudobin sorrindo.
Outros ídolos
Nesta última visita, Nikolai Hudobin aproveitou para comprar mais um artigo do Santos FC e assistiu ao jogo da final da Copa do Brasil Sub-20 entre Santos x Criciúma. Conversou sobre Andriy Shevchenko, o “Pelé” da Ucrânia, e Lev Yashin (goleiro russo conhecido como Aranha Negra).

E sobre os brasileiros no futebol ucraniano, como no Shakhtar Donetsk? “Não tenho opinião sobre esse assunto. O Santos e o Pelé é o que importam“, diz o ucraniano com jeitinho brasileiro – e por que não santista também?
VÍDEO

domingo, 13 de março de 2016

Nos dias de hoje, Pelé marcaria o dobro de gols...


Nos dias de hoje, Pelé marcaria o dobro de gols... porque nos tempos em que Pelé jogava futebol, o árbitro nunca expulsava ninguém de campo logo no primeiro tackle violento, era muito raro isto acontecer.

Esta era uma cena comum na carreira de Pelé.
Um adversário acertou-lhe a perna e teve que receber atendimento.
Por isto, na maioria da vezes, os defensores tentavam acertar nas pernas do melhor jogador do time adversário para machucá-lo profundamente, logo no início do jogo. 

Até 1970, o cartão amarelo e o cartão vermelho ainda não existiam. Também as substituições de jogadores durante o jogo não existiam e o jogador que estivesse lesionado tinha que se manter em campo os 90 minutos, se ele tivesse condições físicas para isto.


Quando os clubes brasileiros iam jogar nos países sulamericanos, geralmente o árbitro era muito intimidado pelos fans locais e em caso de dúvida, geralmente decidia a favor dos times da casa.
E geralmente o árbitro permitia a violência dos jogadores do time da casa.
E geralmente, quando o time da casa não conseguia vencer, os jogos geralmente terminavam em confusão, com brigas entre jogadores, objetos jogados das arquibancadas em direção ao time visitante e ameaças dos fans locais de invasão de campo durante todo o jogo.

Pelé mais uma vez no chão, reclama com o goleiro do Peñarol
Pelé além do enorme talento que tinha, era forte, rápido e esperto. Por esta razão, conseguiu jogar durante 2 décadas praticamente sem ter nenhuma lesão grave. Mas Pelé não era nenhum santo. Muitas e muitas vezes esperou o momento certo durante o jogo para se vingar de algum adversário que lhe agrediu, sem que o árbitro percebesse. Nos estádios de futebol naqueles tempos, raramente haviam câmeras de televisão para filmar o jogo.
A esmagadora maioria das faltas violentas de que Pelé foi vítima em 21 anos de carreira não estão filmadas em vídeo, e existem apenas algumas pouquíssimas fotos de Pelé lesionado ou fazendo tratamento com por exemplo as duas fotos abaixo .


Hoje em dia há muito mais proteção da FIFA e dos árbitros aos jogadores talentosos e há sempre pelo menos 20 câmeras de televisão a filmarem cada lance do jogo de vários ângulos, em slow motion e HD.
No vídeo abaixo, alguns tackles se acontecessem hoje em dia, certamente seriam penalizados com o cartão vermelho, o que raramente acontecia antes.




O que eu fico imaginando é como Messi, CR7 ou Neymar entre outros que são as estrelas dos dias de hoje, iriam sobreviver naqueles tempos, onde ao mesmo tempo tinham que usar o talento e fugir dos "caçadores" como nos exemplos dos 3 vídeos abaixo... 


VÍDEO 1 - Faltas sobre Pelé...e algumas "vinganças" do Rei em adversários


VÍDEO 2 - Impressionante tackle que quase acabou com a carreira de Zico em 1985


VÍDEO 3 - MARADONA vítima de 10 faltas horripilantes




quinta-feira, 3 de março de 2016

Parabéns Zico, 63 anos!!! ( materia adcional )



Eu tive o privilégio de ver nos campos de futebol ou pela televisão os 3 melhores camisa número 10 de todos os tempos da Seleção Brasileira de Futebol.
Pelé, foi o melhor, é claro. 
Os outros dois foram Roberto Rivellino ( que este blog já homenageou AQUI) e Artur Antunes Coimbra, o Zico, não interessa a ordem dos nomes.


Zico e Pelé jogaram um amistoso pela seleção Brasileira
Zico na minha opinião, era muito mais completo como jogador de futebol do que Maradona, Zidane, Platini ou George Hagi, apenas para dar alguns exemplos. 
Era um jogador com uma classe impressionante, tinha técnica, habilidade, 
poder de explosão e visão de jogo fora do comum, 
além de ser exímio batedor de penalties e lances livres. E era líder nato. 
Por possuir todas estas qualidades, foi chamado de " O Pelé branco". 

Zico, Kaká, Pelé e David Beckham no Estádio do Maracanã em 2014.
Quanto dinheiro custaria para contratar este quarteto hoje em dia?
Zico venceu tudo o que havia para vencer jogando pelo CR Flamengo do Rio de Janeiro, mas infelizmente não teve a sorte de vencer uma Copa do Mundo,  mas deixou a sua marca na história do futebol jogando pela inesquecível e injustiçada Seleção Brasileira da Copa do Mundo de 1982, que espalhou arte e magia pelos campos de futebol na Espanha e ficou para sempre na memória popular.



De todos os jogadores nos dias de hoje, o único que pode ser comparado a Zico é Messi,
que muitos dizem que é melhor do  que Pelé ( como muitos já disseram através dos tempos que Cruyff, Eusébio, Ronaldinho Gaúcho, Di Stefano, Best e outros eram melhores do que Pelé), no entanto eu penso que Messi nem sequer é melhor do que Zico, porque quem acompanhou a carreira de Zico e acompanha a carreira de Messi vai constatar que são estilos praticamente idênticos, é como se nos dias de hoje estivesse a ver Zico jogar no Barcelona com a camisa 10. Era praticamente igual.


Apesar de Zico ter jogado pelo CR Flamengo, o maior rival do meu clube, o Fluminense Football Club do Rio de Janeiro, aqui vai a singela homenagem a um dos melhores jogadores da história do futebol e com certeza um dos 3 melhores camisa 10 de todos os tempos da Seleção Brasileira de Futebol. 


*Quando escrevi este post, esqueci-me de mencionar que Zico também está presente na equipe do 11 Lendário do videogame FIFAuma equipe imaginária que junta craques de várias gerações em uma só equipe ), desde o FIFA 12.


Companheiros na Seleção Brasileira e rivais nos respectivos clubes, 
Zico e Rivellino jogam juntos no meu meio-campo do XI LENDÁRIO 
e acho uma injustiça o Zico ter o ranking 91, quando devia ser 94.


E para o meu meio-campo do XI CLASSIC ficar completo só falta... o Rei:-)


Parabéns Zico!!!

Ps: Para quem pensa que estou exagerando em comparar Messi com Zico, aqui vão os vídeos.


VÍDEO 1 - ZICO X MESSI 


VÍDEO 2 - 50 GOLS



VÍDEO 3 - ASSISTÊNCIAS E PASSES



VÍDEO 4 - RECADO DE PELÉ PARA ZICO

Template - Dicas para Blogs