FILME PELÉ ETERNO

FILME PELÉ ETERNO
A prova definitiva de quem é o melhor jogador de sempre

quarta-feira, 21 de julho de 2021

👑Dentro da área, cercado por 5 adversários. Driblou todos eles e marcou o gol. Em menos de 5 segundos...

👑Dentro da área. 
Cercado por 5 adversários. 
Driblou todos eles e marcou o gol. 
Em menos de 5 segundos. 
Ele fazia o difícil parecer fácil.
👇

segunda-feira, 5 de julho de 2021

O 1000º GOL DE PELÉ no THE TIMES, 21/11/1969

Em 21 de novembro de 1969, o tradiconal jornal britânico The TIMES publicou uma foto de Pelé na página 16, onde na legenda está escrito:
"Pelé beija a bola depois de ter marcado o milésimo gol"


Na pequena reportagem abaixo da foto, destacada pela seta, está escrito:
"Assim como uma montanha de gente fêz valer o dinheiro com o grande brasileiro Pelé, que aos 29 anos, nesta quarta-feira, marcou o seu gol mil no futebol de primeira classe. Ironicamente, veio no gigantesco estádio do Maracanã de pênalti."

Aqui abaixo a pequena reportagem em tamanho maior.
👇

Aqui abaixo, a página 16 do The Times de 21/11/1969.
👇

Mais um exemplo de muitos exemplos. 
Como fêz, sem exceção, toda a imprensa mundial em novembro de 1969, também o jornal londrino The Times publicou: PELÉ marcou o 1000º gol.
Sem contestação.
Sem polêmica. 
Sem separação. 
Sem "oficial".
Sem "não-oficial"

domingo, 4 de julho de 2021

FOTO DO DIA: O 1000º gol de Pelé no Jornal MARCA, da Espanha - Novembro 1969

Em novembro de 1969, o tradicional jornal esportivo espanhol MARCA , dedicou uma página inteira ao 1000º gol de Pelé. 
👇
👆
Não é preciso saber ler ou falar em espanhol para ler o que está escrito em letras vermelhas: PELÉ, 1000

Infelizmente, não consegui ter acesso ao texto para traduzir em português, mas nem é necessário. 
Está ali, bem visível, em letras grandes: 1000.
Tal como todos os jornais, sem exceção, brasileiros ou estrangeiros, publicaram em novembro de 1969, ver👉AQUI .

Até mesmo a mundialmente conceituada TIME MAGAZINE elegeu o 1000º gol de Pelé como um dos 10 eventos esportivos mais importantes da década de 60. (👉AQUI.)
👇

👇


PELÉ, MIL GOLS. A História foi publicada exatamente assim, sem exceção, por toda a imprensa internacional em novembro de 1969. 

sábado, 3 de julho de 2021

📹2012: Pelé, Zito, Pepe e Mazzola no adeus ao Estádio Rasunda na Suécia


Em 2012, Pelé, Zito, Pepe e Mazzola foram até Estocolmo na Suécia para se despedirem do Estádio Rasunda, palco onde em 29 de junho de 1958, conquistaram a 1ª Copa do Mundo para o Brasil.

👉Neste dia 29 de junho de 1958, Pelé com apenas 17 anos de idade, conseguiu dois recordes que até os dias de hoje ninguém igualou. E dificilmente alguém conseguirá:

- Mais jovem jogador a vencer uma Copa do Mundo
- Mais jovem jogador a marcar 2 gols em uma final de Copa do Mundo.

Dito isto, vamos à reportagem:

Emoção marca encontro de suecos e brasileiros veteranos da Copa de 58

Claudia Varejão Wallin

De Estocolmo para a BBC Brasil




Abraços, sorrisos e lembranças marcaram o reencontro emocionado de jogadores suecos e brasileiros, 54 anos depois da conquista do primeiro título mundial da seleção brasileira na Suécia.

A entrada dos jogadores brasileiros no estádio foi recebida, em tom de brincadeira, com uma sonora vaia de Agne Simonsson – o jogador que foi o autor do segundo gol sueco na final contra o Brasil. Aos risos, ele foi o primeiro a ser abraçado por Pelé.



"Sou um homem de três corações, mas é uma emoção grande estar aqui", disse Pelé numa referência à sua cidade natal de Três Corações (MG) ao voltar ao gramado de Råsunda junto a 11 finalistas da Copa de 1958 na Suécia.

"O Brasil começou aqui. Råsunda e a Suécia representam tudo para mim. A minha vida começou aqui. Agora, temos a grande responsabilidade de ganhar a nossa sexta Copa do Mundo", observou.

"Garrincha está lá no céu, olhando para nós aqui", acrescentou.



Entre os quatro campeões brasileiros da geração 58 presentes, o reencontro uniu, da esquerda para a direita, Pepe (77) Pelé (71 anos), Mazzola (74) e Zito, 80 anos. 

Os finalistas suecos eram oito senhores de cabelos brancos: Kurt Hamrin (77 anos), Agne Simonsson (77), Reino Börjesson (83), Sigge Parling (82), Bengt Gustavsson (84), Åke Johansson (84), Bengt Berndtsson (79) e o reserva Owe Ohlsson (74).



Hoje preso a uma cadeira de rodas, Agne Simonsson foi vítima de um derrame cerebral há três anos e fala com dificuldade. Mas ainda se lembra do gol: "Sim, sim", exclamou, entusiasmado, tentando expressar com gestos o que não conseguia dizer com palavras à BBC Brasil.

Emoções e reis

Debilitados pela idade, dois outros jogadores suecos entraram no estádio apoiados por bengalas - Åke Johansson e o ex-zagueiro Sigge Parling, que ainda se recorda da sensação que teve diante do mito Pelé:
"Quando Pelé marcou o quinto gol do Brasil, eu não queria mais marcá-lo. Só tinha vontade de aplaudi-lo.



Por outro lado, outro atacante sueco da final de 58, Kurt Hamrin, revelou não ter ficado tão impressionado assim com o camisa 10 brasileiro.

"Didi era o melhor. Primeiro, Didi. Em segundo lugar, Nilton Santos. Em terceiro, Bellini. Pelé era muito jovem e percebemos que iria se transformar em um grande jogador, mas na Copa de 58 ele não era o melhor. Depois, Pelé se transformou em um lendário jogador, e na minha opinião ele é a pessoa que mais fez pelo futebol na condição de embaixador do esporte", disse Hamrin, que hoje vive em Florença, na Itália – onde chegou a jogar em cinco clubes, incluindo Juventus, Fiorentina e A.C. Milan.

Já para o "rei do futebol", Pelé, a lembrança mais marcante daquele dia da final foi o encontro com o rei sueco, Carl Gustaf XVI:
"O que mais me impressionou foi que o rei desceu ao gramado para apertar a minha mão. Foi a primeira vez que um rei me cumprimentou", disse Pelé, que assim como Garrincha tinha começado a Copa de 1958 no banco dos reservas e terminado, aos prantos, como ídolo.



"O nome Råsunda nunca vai morrer no Brasil", proclamou o rei do futebol.

Ao entrar no gramado nesta terça-feira, Zito se surpreendeu:
"O estádio parece que foi feito de novo. Está novíssimo", disse ele, que divide com Pelé um dos momentos mais marcantes do dia da final de 58: "Foi quando o rei me abraçou".

Friends Arena

De Råsunda, os jogadores foram levados para conhecer a Friends Arena, o novo estádio que substituirá o antigo campo de 58.

"O novo estádio é fantástico. Pena que estou velho demais para jogar em uma catedral do futebol como essa", disse o ex-atacante Kurt Hamrin à BBC Brasil.




Em 1958, a final da Copa terminou com a torcida sueca aplaudindo a seleção brasileira, num Råsunda lotado por 50 mil pessoas.

Em torno do estádio nesta terça-feira, bandeirinhas comemorativas decoram as ruas com os dizeres "Suécia e Brasil, último duelo da seleção no Estádio Råsunda". Nesta quarta-feira, Brasil e Suécia se enfrentam em Råsunda numa espécie de reprise da final de 58, antes de o estádio ser demolido no ano que vem.

Segundo a Federação Sueca de futebol, praticamente todos os 33 mil ingressos para o amistoso já foram vendidos.




Único sobrevivente do Comitê Organizador da Copa daquele ano, Bengt Ågren de 82 anos, relembrou o dia da final.

"Eram seis horas da manhã quando me ligaram do (estádio de) Råsunda, e avisaram: está chovendo. Havia dois centímetros de chuva no gramado, tudo estava molhado. Falei um palavrão naquela hora. Havíamos tido 22 dias de sol, e justamente naquele dia, na final contra o Brasil, chovia. Mandamos gente às pressas para retirar a água. Mas quando a partida começou, a chuva tinha parado", diz

Ele conta que os suecos torciam por um milagre:
"Já era quase inacreditável termos chegado à final da Copa. Então, todos esperavam que um milagre pudesse acontecer: a Suécia vencer o Brasil."



Bengt lembra que o comitê sueco da Copa chegou a vaticinar a vitória brasileira, antes de a Suécia ter se classificado para a final:
"Eu e o restante do comitê sueco assistimos à semifinal entre Brasil e França (com placar de 5 a 2 para o Brasil), que em minha opinião foi a melhor partida de todas. No final, nós todos dissemos: os brasileiros vão vencer a Copa", conta Bengt.

Naquele momento, segundo ele, a seleção sueca disputava a semifinal contra a Alemanha em Gotemburgo, que garantiria a vaga na final contra o Brasil.

No dia da final em Råsunda, alguns jogadores estavam nervosos, lembra Bengt:

"Já outros, que haviam conquistado o terceiro lugar na Copa de 1950 no Brasil, eram mais experientes, estavam mais confiantes. Para o povo da Suécia, já tinha sido uma façanha ver a nossa seleção chegar à final. Mas havia esperança, entre todos nós."



Entre as tantas memórias daquele dia de 58, uma das que mais marcou tanto Kurt Hamrin como Bengt Åre foi a euforia brasileira:
"A imensa felicidade dos jogadores do Brasil, correndo em volta do estádio com uma enorme bandeira sueca, é inesquecível. Depois disso, Råsunda virou um lugar sagrado para o Brasil", disse Bengt Åre.

"Me entristece saber que Råsunda será demolido. Mas entendo que é necessário ter uma nova arena", pondera.


Tanta história junta nessa foto😉

VÍDEO
 

sábado, 26 de junho de 2021

📰TIME MAGAZINE, 14/06/1999 | 👑PELÉ entre as 100 pessoas mais importantes do Século XX

Em 14 de junho de 1999, a TIME MAGAZINE publicou uma edição especial com os 100 maiores heróis e ícones do Século XX.
👇


A mesma revista, na edição dos melhores da década de 26 de dezembro de 1969, já havia colocado o 1000º gol de Pelé entre os 10 eventos esportivos mais importantes da década de 60 (👉 AQUI ).

E sem surpresa nenhuma, Edson Arantes do Nascimento fêz parte deste seleto lote das 100 personalidades mais importantes do Século.
👇


 
Para escrever o texto de 3 páginas sobre o maior jogador de futebol de todos os tempos, a Time Magazine pediu a nada mais nada menos que o 2º homem mais poderoso do planeta ( o 1º, como é óbvio, é o presidente dos EUA ) entre 1969 e 1977, Henry Kissinger
👇
O 2º homem mais poderoso do planeta em 1975,
desceu ao campo de jogo só para cumprimentar o Rei.

Kissinger foi Secretário de Estado dos EUA entre 1973 e 1977 e Assistente do Presidente dos EUA para Assuntos de Segurança Nacional de 1969 a 1975, portanto era neste período o homem mais bem informado do planeta. É grande fã e amigo pessoal de Pelé. Foi um dos maiores responsáveis pela ida de Pelé para os Estados Unidos em 1975, tendo mesmo que intervir e usar toda a sua diplomacia junto do governo brasileiro. 

Vamos ao texto que Henry Kissinger "batizou" O FENÔMENO.
PELÉ: Ele dominou o futebol por 2 décadas com uma paixão igualada apenas pela de seus fãs em todo o mundo.
👇




Os heróis caminham sozinhos, mas tornam-se mitos quando enobrecem as vidas e tocam o coração de todos nós. Para quem ama o futebol, Edson Arantes do Nascimento, mais conhecido como Pelé, é um herói.

O desempenho de alto nível em qualquer esporte deve exceder a escala humana comum. Mas a performance de Pelé transcendeu a da estrela comum tanto quanto a estrela excede a performance comum. Ele marcou em média um gol em todos os jogos internacionais que disputou - o equivalente a um jogador de beisebol fazendo um home run em todos os jogos da World Series ao longo de 15 anos. 
Entre 1956 e 1974, Pelé marcou um total de 1220 gols - não muito diferente de fazer uma média de 70 home runs por ano durante uma década e meia.

Enquanto jogou, o Brasil venceu a Copa do Mundo, disputada quadrienalmente, três vezes em 12 anos. Ele marcou cinco gols em um jogo seis vezes, quatro gols 30 vezes e três gols 90 vezes. E não o fez com indiferença ou desdém - como fazem muitas estrelas modernas - mas com uma alegria contagiante que fez com que até as equipes sobre as quais triunfou compartilhassem seu prazer, pois não é nenhuma desgraça ser derrotado por um fenômeno que desafia a emulação.

Ele nasceu nas montanhas das grandes cidades costeiras do Brasil, na empobrecida cidade de Três Corações. Apelidado de Dico pela família, era chamado de Pelé pelos amigos do futebol, palavra cujas origens lhe escapam. Dico engraxou sapatos até ser descoberto aos 11 anos por um dos maiores jogadores do país, Waldemar de Brito.





Quatro anos depois, De Brito trouxe Pelé para São Paulo e declarou aos descrentes diretores da temática profissional santista; “Esse menino vai ser o maior jogador de futebol do mundo”. Ele rapidamente se tornou uma lenda. Na temporada seguinte, ele foi o artilheiro de sua liga. Como o ( jornal ) Times de Londres diria mais tarde, "Como se escreve Pelé? D-E-U-S" Ele é conhecido por interromper a guerra: ambos os lados na guerra civil da Nigéria estabeleceram um cessar-fogo de 48 horas em 1967 para que Pelé pudesse jogar uma partida na capital, Lagos.

Para entender o papel de Pelé no futebol, é necessária alguma discussão sobre a natureza do jogo. Nenhum esporte de equipe evoca o mesmo tipo de paixão primordial e universal como o futebol.

Durante a Copa do Mundo, os jogos das seleções nacionais de futebol impõem a programação da televisão ao ritmo de vida. No ano passado, participei de um jantar para membros importantes do estabelecimento britânico e convidados ilustres de todo o mundo na sóbria Spencer House em Londres. Os donos da casa tiveram o azar de terem escolhido a noite do jogo entre Inglaterra e Argentina - sempre uma rixa sangrenta, agravada nesta ocasião pela memória da crise das Malvinas.


O impecável público (ou pelo menos o suficiente para influenciar os apresentadores) fez questão de que os aparelhos de televisão fossem instalados em locais estratégicos, tanto na recepção quanto no jantar.

A partida foi para a prorrogação e exigiu uma disputa de pênaltis depois, de modo que o orador principal não conseguiu entregar sua mensagem até 23h E desde que a Inglaterra perdeu, o público não estava exatamente com humor para nada além de luto.

Quando a França finalmente venceu a Copa do Mundo, Paris ficou paralisada de alegria por quase 48 horas, o Brasil de desânimo por um período de tempo semelhante.


Eu estava no Brasil em 1962 quando a seleção nacional venceu a Copa do Mundo no Chile. Tudo parou por dois dias enquanto o Rio festejava um carnaval prematuro.

Não há nada comparável nos EUA. Nossos torcedores não se identificam com suas equipes dessa forma, em parte porque os esportes coletivos americanos são mais cerebrais e exigem um grau de habilidade que está além do alcance do leigo.


O beisebol, por exemplo, requer um conjunto de habilidades díspares: acertar uma bola lançada a 90 km/h, pegar uma bola voando na velocidade de uma bala e lançar longas distâncias com grande precisão.

O futebol requer um conjunto diferente de habilidades para cada uma de suas 11 posições. O espectador dos EUA, portanto, se vê vendo dois eventos distintos: o que está realmente acontecendo no campo de jogo e a tradução disso em estatísticas detalhadas e minuciosas. ele quer que seu time vença, mas também se comprometeu com o triunfo estatístico da estrela que ele admira. O herói do esporte americano é como Joe DiMaggio - uma espécie de Lone Ranger que caminha na solidão além do alcance da experiência comum, elevando-nos além de nós mesmos.

O futebol é um tipo de jogo totalmente diferente. Todos os jogadores devem possuir o mesmo tipo de habilidades - especialmente no futebol moderno, onde a distinção entre jogadores ofensivos e defensivos foi dissolvida. Sendo contínuo, o jogo não se presta a ser dividido em uma série de jogadas componentes que, como no futebol ou no beisebol, podem ser praticadas.

O beisebol e o futebol emocionam pela perfeição de suas repetições, o futebol pela improvisação de soluções para necessidades estratégicas em constante mudança. O futebol requer pouco equipamento, além de um par de sapatos. Todo mundo acredita que ele pode jogar futebol. E pode ser jogado por qualquer número de jogadores como um jogo de pickup.


Assim, o futebol fora da América do Norte é verdadeiramente um jogo para as massas, que podem se identificar com suas paixões, seus triunfos repentinos e suas desilusões inevitáveis. O beisebol e o futebol são uma exaltação da experiência humana; o futebol é sua encarnação.




Pelé é, portanto, um fenômeno diferente do astro do beisebol ou do futebol. As estrelas do futebol dependem de seus times, mesmo quando os transcendem. Alcançar o status de mítico como um jogador de futebol é especialmente difícil porque o pico de desempenho geralmente é bastante curto - apenas o menor número de jogadores tem o melhor desempenho por mais de cinco anos. Incrivelmente, Pelé teve um desempenho de alto nível durante 18 anos, marcando 52 goals em 1973, no seu 17º ano como profissional. As estrelas do futebol contemporâneo nunca chegam a 50 gols por temporada. Para Pelé, que tinha marcado três vezes mais de 100 gols por ano, era sinal de aposentadoria.

O status mítico de Pelé deriva também da forma como encarnou o personagem da Seleção Brasileira. Seu estilo afirma que virtude sem alegria é uma contradição em termos. Seus jogadores são os mais acrobáticos, senão sempre os mais competentes. Os times brasileiros jogam com contagiante exuberância. Quando aquelas camisas amarelas vão para o ataque - o que é na maioria das vezes - e seus torcedores vibram ao som inebriante das bandas de samba, o futebol se torna um ritual de fluidez e graça. Na época do Pelé, os brasileiros sintetizaram o futebol como fantasia.


Vi Pelé no auge apenas uma vez, na final da Copa do Mundo de 1970. O adversário do Brasil foi a Itália, que jogou sua defesa dura com arremetidas repentinas para empatar em 1 a 1, desmoralizando os brasileiros. A Itália poderia facilmente ter concentrado ainda mais sua defesa, até que seu frenético oponente começasse a cometer os erros que envolveriam sua ruína. Mas. liderado por Pelé, o Brasil não prestou atenção. Atacando como se os italianos fossem uma equipe de treino, os brasileiros jogaram no chão por 4 a 1.

Eu vi o Pelé algumas vezes depois, quando ele estava jogando pelo NY Cosmos. Ele não era mais tão rápido, mas estava exuberante como sempre. A essa altura, Pelé já havia se tornado uma instituição. A maioria dos fãs modernos nunca o viu jogar, mas de alguma forma eles sentem que ele faz parte de suas vidas. 
Ele fez a transição de superstar para figura mítica.



👉Nota do autor: Henry Kissinger, pelos cargos que ocupou entre 1969 e 1977 no governo dos EUA e como homem de confiança e conselheiro do Presidente dos Estados Unidos, era simplesmente o homem mais bem informado do planeta ( e provavelmente ainda é muito bem informado até hoje  ). 

O homem mais bem informado do mundo escreveu, na TIME MAGAZINE, que Pelé marcou 1220 gols entre 1956 e 1974
Se a estatística de "gol oficial e gol não oficial" existisse no tempo em que Pelé jogou futebol, Henry Kissinger certamente saberia, e certamente não teria escrito 1220 gols entre 1956 e 1974, certo?
Alguma dúvida?

TIME, 14/6/1999, REVISTA COMPLETA👉 AQUI

domingo, 20 de junho de 2021

📷FOTO do DIA: Nenhum jogador TEVE, TEM ou TERÁ tudo isto junto


Nenhum jogador na História TEVE, TEM ou TERÁ tudo isto JUNTO.

Quem não viu Pelé jogar não é obrigado a acreditar.
Quem viu Pelé jogar, como eu vi durante 10 anos, sabe que ele era realmente tudo isso junto.


E se trocarmos o verbo ter para o verbo ser, fica exatamente igual😉
👇
Nenhum jogador na História foi, é ou será tudo isto junto.

👑⚽O melhor e mais completo jogador da História. 

Se conhece algum jogador, vivo ou morto, que teve ou tenha todas estas qualidades e habilidades como o Pelé, diga o seu nome...

quarta-feira, 16 de junho de 2021

⚽Mais de 1200 gols na carreira. Mais de 1.000 gols pelo Santos FC | É a FIFA quem diz (Parte 3)

Pelé: o maior de todos





Eles o chamavam reverentemente de O Rei do Futebol , e seu rosto continua sendo um dos mais universais e imediatamente reconhecíveis do mundo. O homem é Pelé, o astro brasileiro que foi eleito Jogador do Século pela FIFA no ano 2000.

A ascensão estelar de Pelé começou com apenas 17 anos, quando comemorou sua primeira vitória na Copa do Mundo da FIFA ™ com o Brasil na final de 1958, na Suécia. 
Ele continua sendo o jogador mais jovem de todos os tempos a ganhar a medalha de vencedor no torneio de maior prestígio do mundo. O atacante estava na equipe de seu país para a próxima vitória em 1962, mas falhou a maioria das finais devido a uma lesão. Depois de um período relativamente moderado, Pelé estava em seu momento mais imperioso no torneio de 1970 no México e levou seu time a outro triunfo importante. Ele é o único jogador a lançar as mãos na Copa do Mundo da FIFA três vezes.

👆
Printscreen do site da FIFA

Ao longo de sua longa e única carreira, ele marcou mais de 1.200 gols, um recorde que deve permanecer para todos os tempos, que inclui mais de 1.000 gols pelo Santos, clube de Pelé de 1956 a 1974. Ele também marcou 77 gols em 92 participações na A Seleção .

Então porque não se juntar ao FIFA.com em uma viagem no tempo, já que nosso Vídeo da Semana homenageia o jovem Pelé em ação. Podemos prometer-lhe um mimo rico, igualmente fascinante para aqueles que nunca viram este verdadeiro grande em ação antes, e para as pessoas que já estão familiarizadas com O Rei do Futebol.

Link deste texto Site da FIFA ( em inglês ) 👉AQUI

quinta-feira, 10 de junho de 2021

⚽1281 gols em 1363 jogos. É a FIFA quem diz ( Parte 2 )


Depois de vestir a camisa da Seleção pela primeira vez em 7 de julho de 1957, Pelé finalmente pendurou as chuteiras aos 37 anos em 1977. Portanto, parece apropriado que em 2007, 50 anos após sua estreia internacional, o ex-astro icônico deva receberá o Prêmio Presidencial da FIFA pelo trabalho de sua vida.

Ele ganhou tudo, detém uma longa lista de recordes e ainda pode reivindicar ser a lenda do futebol mundial. Além de suas três Copas do Mundo FIFA ™, O Rei vive na memória coletiva por sua capacidade de criar, surpreender e inventar algo novo cada vez que fazia contato com a bola.

Como um artilheiro temível, passador visionário e driblador nato, Pelé gerou sonhos nas mentes de geração após geração. O Brasil passou a representar a essência do belo jogo, uma reputação que deve ao seu ilustre No10, que os colocou no caminho para a sua primeira vitória no maior torneio de todos.

Descoberto com apenas 11 anos pelo internacional brasileiro Waldemar de Brito, Pelé ingressou no Santos aos 15. Um ano depois, em 7 de julho de 1957, o jovem marcou sua primeira aparição internacional na derrota por 2 a 1 para a Argentina ao marcar seu primeiro gol dentro de casa. os arredores imponentes do gigantesco estádio do Maracanã. Na época, os fiéis do Maracanã ainda estavam de luto pela perda da final da Copa do Mundo da FIFA de 1950 para o Uruguai, mas Pelé logo os fez esquecer aquele revés amargo com as habilidades que levariam o Auriverde à glória global.




1.281 gols em 1.363 partidas. 
A despedida final de Pelé veio 20 anos depois, em 1º de outubro de 1977, com o Giants Stadium em Nova York como pano de fundo. Sua última partida contou com os únicos dois clubes que já representou - Santos e New York Cosmos - e quando soou o apito final, ele pôde olhar para trás em uma carreira repleta de troféus e recordes inacreditáveis.
 
Em 1969, por exemplo, 12 anos depois de entrar no jogo, ele marcou o milésimo gol em meio a cenas indescritíveis no Maracanã. 
Ele marcou cinco gols na mesma partida em seis ocasiões, além de quatro gols em 30 ocasiões e incríveis 92 hat-tricks. Chegou a balançar a rede oito vezes contra o Botafogo, em 1964, e no final das contas havia feito 1.281 gols em 1.363 jogos e 92 internacionalizações.

O mais memorável deles ocorreu durante a Copa do Mundo FIFA de 1970, o primeiro a ser transmitido em cores para aparelhos de televisão em todo o planeta. O Rei foi uma presença deslumbrante durante o torneio e cativou o público com uma série de momentos hipnotizantes: sua tentativa de marcar no meio da linha contra a Tchecoslováquia, o cabeceamento contra a Inglaterra que levou a uma defesa milagrosa de Gordon Banks e a maneira como enganou o goleiro uruguaio Ladislao Mazurkiewicz sem sequer tocar na bola. 
"Antes da partida, disse a mim mesmo que ele era apenas carne e osso como eu, mas logo descobri que estava errado", explicou o sólido zagueiro Tarcisio Burgnich após uma final inesquecível. 




Quando Pelé finalmente deu um tempo em sua carreira de jogador aos 37 anos de idade em 1977, o embaixador do Brasil nas Nações Unidas, JB Pinheiro, fez sua própria crítica sobre a influência de seu compatriota: 
“Pelé jogou futebol por 22 anos e, durante aquele tempo, fez mais para promover a amizade e a fraternidade mundial do que qualquer outro embaixador”

Desde então, Pelé usou seu status único da melhor maneira possível, em benefício de seu país, da ONU, da UNICEF e, claro, do próprio futebol, principalmente por ser membro do Comitê de Futebol da FIFA. "Toda criança no mundo que joga futebol quer ser Pelé", disse a própria lenda no passado. "Por isso, tenho a grande responsabilidade não só de lhes mostrar como ser jogador de futebol, mas também de ser homem".

Printscreen da parte do texto que diz 1281 gols em 1363 jogos.
👇

Link deste texto Site da FIFA 👉AQUI

sábado, 5 de junho de 2021

📰 SPORTS ILLUSTRATED MAGAZINE, 24/10/1966

Em 1966, a Sports Illustraded, a mais tradicional e importante revista de esportes dos Estados Unidos, enviou especialmente ao Brasil o jornalista PETE AXTHELM, que fêz uma reportagem - e  entrevista - de 11 páginas com o Rei do Futebol.
Esta reportagem foi publicada na edição de 24 de outubro de 1966, com a seguinte manchete:                                                         
👇
O ATLETA MAIS FAMOSO DO MUNDO

SE DESCONHECIDO NOS ESTADOS UNIDOS, EDSON ARANTES DO NASCIMENTO - APELIDADO DE PELÉ - É O ÍDOLO DAS NAÇÕES QUE JOGAM FUTEBOL E UM SEMIDEUS NO BRASIL ONDE GANHA MEIO MILHÃO DE DÓLARES POR ANO.

A capa da Sports Illustrated de 24 de outubro de 1966.
👇


A tradução em língua portuguesa
👇



Dois jogadores do Santos FC, time de futebol brasileiro, passaram a bola para a frente ao longo da linha lateral e, em seguida, chutaram em direção ao homenzinho chamado Pelé, que esperava em frente ao gol. Pelé ergueu a perna direita em um movimento curto e rápido e passou a bola por cima da cabeça de um dos zagueiros. Ele se esquivou daquele homem e ergueu a bola novamente quando mais dois zagueiros se aproximaram. A bola parecia ter pendurado a meio-jogo quando Pelé fez uma finta para a esquerda; então ele abaixou os ombros e se lançou entre seus oponentes. Antes que um goleiro chocado pudesse reagir, Pelé chutou de cabeça para a rede.


Era muito próximo da maneira perfeita de executar uma jogada de pontuação no jogo escolhido por Pelé - o jogo que se chama futebol nos Estados Unidos e futebol em todos os lugares, e também é o esporte mais popular do planeta. O gol foi marcado em jogo unilateral entre Santos e Juventus pelo campeonato paulista, em 1959. Mas os brasileiros, sofisticados e apaixonados pelo futebol, lembram-se de seu brilho como se tivessem vencido. a mais recente Copa do Mundo para eles. Cerca de 60.000 pessoas viram ( 👉na verdade, 6 mil pessoas estavam no estádio); cerca de um milhão afirmará ter visto se você perguntar a eles agora. "Foi", diz um locutor do Santos com confiança, "o maior gol de Pelé já marcado." No Brasil - e em quase todos os lugares onde se joga futebol - isso equivale a dizer que foi o maior gol que alguém já marcou.



“Acho que foi meu melhor gol, do ponto de vista técnico”, diz Pelé, cujo nome verdadeiro é Edson Arantes do Nascimento e cujo título indiscutível é rei do futebol internacional. "Não posso dizer que foi minha maior emoção, porque não era importante o suficiente. Estávamos à frente por 4-0 na época e não precisávamos tanto de um gol. Mas devo admitir que foi algo especial".

Vindo de Pelé, que se esforça para ser o mais modesto dos ídolos, essa é uma afirmação forte. Vindo de qualquer outra pessoa, de qualquer pessoa que viu esse homem jogar durante os últimos oito anos, seria um eufemismo, pois quase todos os movimentos de Pelé em um campo de futebol foram algo muito especial. Pelé, de 25 anos, tem 1,52 m de altura (👉1,73 m na verdade ) e pesa 163 libras, a maior parte aparentemente concentrada nos músculos impressionantes de suas pernas fortes e ligeiramente arqueadas. Em cada jogada, ele parece estar dois passos à frente dos jogadores ao seu redor. Ele dribla a bola como se ela estivesse presa a seus pés por cordas sensíveis; ele atira com mais força e precisão do que qualquer outra pessoa no jogo. Quando corre pela zona ofensiva em direção ao gol, Pelé captura a imaginação de uma forma que só os atletas mais dramáticos conseguem.

Pelé é um daqueles raros performers que conseguem, por um momento, fazer com que todos os padrões e táticas de um jogo complexo pareçam sem importância. Ele se orgulha de ser um jogador de equipe ("Ele dá o exemplo para todos os outros jogadores", diz o técnico do Santos, Lula), mas relacionar um gol brilhante de Pelé a um padrão de passe da equipe é como creditar uma recepção de passe de 80 jardas pelo velocista olímpico Bob Hayes para o ataque múltiplo dos Dallas Cowboys. Como Hayes ou Gale Sayers no futebol americano ou Bobby Hull no hóquei no gelo, Pelé pode transformar um jogo de equipe em um show individual memorável. De repente, ele está sozinho, cercado por oponentes. Ele os tira de posição, corre ao redor ou entre dois deles, é derrubado ou empurrado para o lado e então, de alguma forma, surge com o grande tiro. A enorme multidão aplaude; alguns torcedores delirantes tentam escalar as altas cercas de arame farpado que separam os campos de futebol brasileiros das arquibancadas. Pelé volta à sua posição sorrindo - parece sorrir a cada jogada, mesmo as mal-sucedidas -, tendo mostrado mais uma vez porque é o atleta mais bem pago e mais idolatrado do mundo.


Ele sorria da mesma forma no mês passado no campo do Santos, mas com ele as coisas eram diferentes. Os portões nas cercas estavam abertos e apenas cerca de 20 crianças haviam entrado no estádio para assistir a um treino matinal. Agora não haveria show individual. Pelé foi um dos 10 homens que correram pelo campo; então ele era um entre meia dúzia fazendo exercícios calistênicos especiais para fortalecer as pernas. Apenas mais um membro de uma organização muito boa e bem administrada.

Bem, não exatamente. O Santos Futebol Clube, beneficiário de seus talentos, conquistou dois títulos da liga estadual nos 20 anos anteriores à conquista de Pelé, em 1958. Desde então, o time venceu sete de nove. Hoje em dia, o Santos sempre joga para casa lotada e cobra taxas altíssimas para jogos amistosos e viagens. (Como que para provar que essa prosperidade não era uma coincidência, o comparecimento caiu 50% em 1962, quando Pelé ficou afastado por um longo período por causa das lesões.)

Depois do treino, Pelé sentou-se em frente ao seu armário de madeira e tirou a camisa cinza de moletom. Outros na sala lotada riram e gritaram para frente e para trás. Pelé falou baixo, distraidamente tocando o crucifixo de ouro que usa no pescoço enquanto escolhia suas palavras. "Sorte. Você precisa de muita sorte para ter uma carreira longa e bem-sucedida. Há muitas chances de lesão ou de algo dar errado de repente. Mas, até agora, tive a sorte de qualquer pessoa. Tenho muita sorte. "

Sua boa sorte é lendária entre os adeptos do futebol. Filho de um jogador da liga do interior do estado que ganhava US $ 4,50 por jogo, Pelé agora ganha mais de US $ 200 mil por ano em salários e bônus. Abandonado na quarta série, ele é dono de vários negócios lucrativos e tema de dois livros e um filme. Sua renda total é de cerca de meio milhão de dólares. Negro, vive feliz em um dos poucos lugares do mundo onde a cor não influencia a vida de um homem. E depois de 10 anos jogando futebol para viver, ele ainda gosta do que faz. 
“Eu gostava de quando era apenas um garoto na rua”, disse ele, “e gostei quando comecei a jogar no Santos por US $ 75 por mês. Agora que sou casado, naturalmente prefiro viajar menos. Mas isso não significa que estou infeliz, só porque estou no topo, não vou começar a reclamar.

Esse é o estilo Pelé. Ele poderia reclamar e as pessoas ouviriam. Ele poderia exigir mudanças em sua agenda rigorosa e ele as conseguiria. Ele poderia escrever sua própria passagem com seu salário. Mas ele imagina que um homem que é pago para jogar deve ser feliz, então Pelé age feliz, satisfeito, grato. Ele é modesto - quase, mas não totalmente, a ponto de soar falso. Ele é cortês até com os fãs mais indisciplinados e sorri bravamente enquanto garotas gritando e com unhas compridas tentam arrancar pedaços de souvenir de suas costas. Ele foi homenageado por reis, estadistas e líderes religiosos em todo o mundo. No entanto, ele é cauteloso e fala mansa, menos preocupado com seus recordes do que em mostrar a você como um superstar pode ser um cara legal.

Isso nem sempre é fácil. O rei do futebol está agora cercado por um guarda do palácio auto-nomeado, uma trupe de funcionários e parasitas que atuam como uma espécie de serviço reverso de relações públicas. Os integrantes do grupo mantêm estranhos, simpatizantes e outros meros mortais à distância, exceto nos estádios de futebol, protegendo Pelé por meios que muitas vezes são tortuosos e rudes. Quase conseguiram apresentar ao mundo uma imagem distorcida de Pelé. Em sua cidade natal, Santos, ele é universalmente querido e admirado; em quase todos os outros lugares, ele é suspeito de ser um homem taciturno e temperamental que deseja apenas ser deixado sozinho. Nos últimos jogos da Copa do Mundo na Inglaterra, por exemplo, Pelé resistiu a um jogo muito duro e duas lesões com uma calma louvável. Ainda assim, ele foi retratado pelo The Sunday Times de Londres como "o triste milionário ...


Na verdade, afirma Pelé, raramente ficou triste, não é milionário e nunca será esmagado ou preso por um jogo que ama ou pelas pessoas que o amam. "Agradeço as multidões ao meu redor", disse ele. "Principalmente as crianças. Sei que quando eu estava crescendo, o futebol era uma das poucas coisas de que eu gostava. Ver um jogador de top sempre foi uma grande emoção. Agora fico emocionada por ter as crianças ao meu redor. Claro, às vezes as pessoas ficam entusiasmadas demais. "

Os fãs de futebol quase sempre ficam entusiasmados demais. Certa manhã, no aeroporto de Caracas, Pelé e seus companheiros tiveram que esperar quatro horas dentro do avião antes que o campo ficasse suficientemente limpo para o desembarque. Em Dakar, no Senegal, um grupo apareceu às 4 da manhã para cercar o ônibus que o levava do avião para a sala de espera do aeroporto. Em Milão, uma multidão circulou por horas enquanto Pelé se escondia atrás de um grande pilar, esperando a chance de correr para um carro. Na Costa do Marfim, 15.000 africanos fizeram fila na estrada do aeroporto para a cidade de Abidjan, aplaudindo loucamente enquanto seu herói passava em um carro aberto, segurando as mãos sobre a cabeça em triunfo. “Foi como um desfile”, maravilhou-se Julio Mazzei, o treinador do Santos, “para um presidente”.

As turbas que o adoram, sejam quais forem os transtornos que causem, são a marca da supremacia de Pelé. Todas as pesquisas realizadas desde 1958 o declararam o melhor jogador de futebol do mundo, mas, na atmosfera apaixonada do esporte, alguns milhares de fãs gritando podem ser mais reconfortantes do que qualquer pesquisa. “Sim, eu gostaria de mais privacidade, uma chance de me locomover e ir a lugares sem causar distúrbios”, diz ele. Aí ele faz uma pausa, parecendo um pouco irritado com essa quebra do estilo Pelé, e fica grato mais uma vez: "Mas a atenção é um elogio. Quando a multidão parar de vir, então será hora de se preocupar."

No momento, Pelé está muito mais preocupado com as coisas que estão acontecendo nos campos de jogo, coisas que ele chama de forma sombria de "consequências da minha fama". Sua glória, fortuna e futuro brilhante podem perder o sentido quando dois fortes defensores convergem para ele com a intenção de cometer o caos. Nas últimas partidas da Copa do Mundo, a seleção búlgara o derrotou brutalmente, finalmente incapacitando-o e custando aos brasileiros qualquer chance de ganhar sua terceira Copa consecutiva. Em um recente jogo em Nova York contra o Internazionale de Milão, ele foi perseguido por um certo Gianfanco Bedin, que foi claramente designado para empregar todos os meios à sua disposição, legais ou ilegais, para manter Pelé fora do alcance do gol. E mesmo no Brasil, onde o afeto pela beleza do jogo supostamente impede essas táticas de conquistar as estrelas, Pelé é cada vez mais assediado. 



"Sempre há alguém "atirando" em mim", disse ele. 
"Eu sei que os jogadores são obrigados a fazer isso, e eu não uso tanto isso contra eles. Eles têm que fazer seu trabalho. Mas os árbitros não estão fazendo o deles. Fui empurrado, tropecei, chutei ... cada falta existe. Se eu tentasse as mesmas coisas contra outra pessoa, seria expulso do jogo. Mas os outros jogadores se safam contra mim. O que mais me irrita é que o público paga para me ver jogar bem futebol, e então os outros times não me deixam. "

Esse é o único assunto que parece incomodar Pelé. O sorriso se foi enquanto ele falava sobre isso, e sua carranca mostrava frustração e uma certa quantidade de medo compreensível. Tinha perdido alguns jogos da Copa do Mundo, tinha acabado de perder um jogo do campeonato que o Santos perdeu para Campinas e agora era titular duvidoso em outros jogos por causa de uma lesão no ombro administrada pelo Milan's Bedin em Nova York. "Claro, você pode se machucar apenas driblando sozinho", disse ele. "Mas quando todos querem impedi-lo, e os árbitros permitem, você tem muito mais chances de se machucar."


Não é um pensamento agradável essa possibilidade de que a carreira mais brilhante e lucrativa da história do futebol seja interrompida; é um pensamento que produziu um complexo de perseguição emergente em Pelé. Mas, tendo falado sobre isso, ele parou, ponderou por um momento, então sorriu novamente e mudou de assunto para outro tema favorito.“Sabe, quando eles fazem coisas assim comigo, pode ajudar o time. Eu posso puxar a defesa e passar a bola para outros companheiros. Quando dois ou três estão pendurados em mim, isso deixa dois outros jogadores do Santos livres de marcação, e eles não são tolos. " Ele falou sobre sua equipe e suas conquistas, que incluem pelo menos uma vitória em todos os campeonatos estaduais, nacionais e mundiais. Ele olhou alegremente ao redor da sala - para Gilmar, o goleiro colorido que se juntou a Pelé em quase todos os times de estrelas; em Carlos Alberto, o zagueiro impetuoso; no Pepe, o astro do envelhecimento que sempre foi o amigo mais próximo de Pelé em Santos; e em Edu, o jovem de 17 anos foi aclamado como o eventual sucessor de Pelé. Agora ele estava relaxado novamente, não mais pensando em suas próprias dores como o rei Pelé; era muito mais fácil ser Pelé o jogador da equipe.

Às vezes, as duas funções entram em conflito. Quando a rainha Elizabeth o convidou para uma audiência especial durante a competição da Copa do Mundo, Pelé, a estrela, ficou lisonjeada. Mas a Seleção Brasileira estava em "concentração", ritual monástico que antecede todo jogo. O técnico Vicente Feola decidiu que não poderia deixar um jogador sair enquanto os outros ficassem, então Pelé, o jogador do time, recusou a rainha. 
O incidente foi amplamente interpretado como uma afronta, aumentando a reputação de Pelé como um individualista temperamental. "Isso não é verdade", disse ele. "Estava a fazer o que a equipa queria. Nunca faria algo assim por temperamento. Pelo contrário, sinto que, na minha posição, tenho a responsabilidade especial de não ser temperamental."

Responsabilidade é outro tema de Pelé. Responsabilidade para com seus companheiros de equipe, para com as pessoas que o pagam, para com seus fãs de confiança. Responsabilidade para com os milhares de crianças que lêem as revistas Pelé, comem as balas Pelé e não fumam os cigarros Pelé. Pelé não bebe nem fuma, embora as regras de treinamento não proíbam nenhum dos hábitos, e ele se recusa a endossar qualquer álcool ou tabaco. Em uma recente turnê mexicana, ele recusou uma oferta de US $ 10.000 por um anúncio de cerveja
"Custa desistir dessas coisas", disse ele, "mas é uma coisa que posso fazer para ajudar as crianças a viverem bem".

A boa vida de Edson Arantes do Nascimento começou de forma bastante desfavorável, em uma pequena cidade do sertão chamada Três Corações. O pai de Pelé, João Ramos do Nascimento, era um jogador de futebol indistinto com o apelido de Dondinho. (Todos os jogadores brasileiros são conhecidos exclusivamente por apelidos, alguns significativos e outros obscuros; o próprio Pelé não se lembra como conseguiu o seu ou o que significa.) Quando Pelé tinha 5 anos, Dondinho foi promovido a um time de classe ligeiramente superior em Bauru e mudou-se lá com sua esposa Celeste e seus três filhos.


Pelé logo se consolidou como destaque nos jogos de futebol do bairro, e menos na escola do bairro. Ele tirou notas ruins, entrou em uma série de disputas e foi embora na quarta série por acordo mútuo com um oficial evasivo cujo rosto sombrio ele ainda se lembra vividamente. Com a mente livre de detalhes escolares, ele dedicou todas as suas energias aos jogos. "O futebol foi a única carreira em que pensei", disse ele. "Tornei-me aprendiz de sapateiro, mas nunca pensei que fosse seguir o mesmo caminho. Queria seguir o caminho do meu pai. Estava convencido de que ele era o melhor jogador de todos os tempos, mas nunca teve oportunidade de o provar."

Pelé teve a chance de um amigo de seu pai, o ex-jogador paulista Waldemar de Brito. De Brito era alto e magro, com uma voz profunda e autoritária que assustava um pouco Pelé e fazia com que o menino se esforçasse muito na sua formação. De Brito encontrou seu protegido quando Pelé tinha apenas 11 anos e ajudou-o a se tornar um jogador top do Bauru aos 14 anos. No ano seguinte, sem mais mundos para conquistar no sertão, De Brito levou Pelé a São Paulo para dê uma chance às ligas principais.


Os times de São Paulo não estavam exatamente esperando de braços abertos. Reputações feitas em Bauru são desprezadas nas cidades mais ricas e orgulhosas do litoral brasileiro. "Fui muito ingênuo", disse Pelé, "mas realmente pensei que poderia fazer algum time". Muitas das equipes que ele visitou eram menos ingênuas, mas ficaram menos impressionadas com sua habilidade. Eles também estavam, como descobriram continuamente, muito errados. Eles rejeitaram Pelé e De Brito voltou-se para o time da cidade costeira de Santos. Luiz Alonso Perez, o treinador, que se chama Lula, concordou em olhar para Pelé. Depois de uma sessão de treinos e uma discussão com dirigentes relutantes do clube, Lula o contratou a título experimental.

A autoconfiança de Pelé, muito abalada em São Paulo, demorou a voltar para ele no Santos. "Eu me senti como se estivesse perdido", disse ele. "Eu tinha apenas 15 anos e de repente tive que viver com pessoas estranhas em um lugar estranho. Eu estava com medo de falhar, mas ainda mais estava com medo do escuro." Depois de dois meses ainda tinha um pouco de medo do dormitório escuro onde morava a equipe e da cidade que lhe parecia tão grande e impessoal. Mas estava ficando cada vez mais claro que ele não iria falhar em campo. 
Ele passou da equipe júnior para a reserva do primeiro time do Santos, com aumento salarial de R $ 75 para cerca de R $ 600 por mês. Os dirigentes do clube perderam seu ceticismo e começaram a elogiá-lo; eles voluntariamente pagaram um bônus de $ 1.000 para De Brito,

"Minha primeira chance real", lembrou Pelé, "veio quando quatro de nós fomos emprestados pelo Santos ao time do Vasco da Gama do Rio, quando estavam com falta de jogadores para um torneio. Vencemos e marquei alguns gols. Quando voltei a Santos, todo mundo dizia que eu era ótimo, e eu fui colocado no nosso primeiro time. Mas eu ainda não tinha certeza se tinha conseguido. Eu tinha apenas 16 anos e precisava do meu treinador para continuar me ensinando e me dando confiança ”.

Lula, o técnico, é um homem grande e fleumático, com um sorriso sonolento de tudo sob controle que mantém durante todos os momentos, exceto os mais frenéticos de um jogo. Há 15 anos é treinador do Santos, mandato inédito em um negócio precário. Ele produziu times vencedores antes da chegada de Pelé e provavelmente os produzirá depois que Pelé se for. No entanto, Lula sempre será conhecido principalmente como o homem que treinou Pelé. Ele aceita esse fato - e seu belo salário - e se submete com alegria às perguntas rotineiras que sustentam as revistas de fãs brasileiras há oito anos: Qual foi o maior momento de Pelé? "O jogo de 1962 contra o Benfica em Lisboa, quando ganhámos o nosso primeiro Campeonato do Mundo de Clubes. Pelé levou-nos ao nosso melhor jogo de sempre."



Como foi o Pelé no início? "Apenas um garoto de recados para os jogadores mais velhos. Ele comprava refrigerante para eles, coisas assim. Então, antes que eles percebessem, eles o estavam admirando."

E a pergunta desnecessária ao final de cada entrevista: Pelé é o melhor jogador que você já treinou? Lula sorri, faz uma pausa para um efeito dramático e diz secamente: "Pelé é o melhor jogador que alguém já treinou."

Pelé começou a mostrar isso ao mundo aos 17 anos, ao levar o Brasil à vitória na Copa do Mundo de 1958, em Estocolmo. Ele foi elogiado em todas as nações futebolistas, brindado com champanhe pelo presidente Juscelino Kubitschek e declarado, pela primeira vez, o rei do futebol no Brasil. "Ainda acho que a Copa do Mundo foi minha maior emoção", disse ele, "porque era muito jovem. Não estava preparado psicologicamente para isso".

Nos oito anos de sucesso ininterrupto que se seguiram, Pelé nunca se preparou realmente para nada. Ele saúda cada novo triunfo com olhos arregalados e apreciativos e a alegre ingenuidade que marca o estilo Pelé. Ele detém todos os recordes de gols do Brasil e teve uma média de quase um gol por jogo durante sua carreira. Ele ajudou a ganhar quase todos os títulos que seu time buscou, e o Santos recusou ofertas multimilionárias por ele. Ele vive no que considera o melhor de todos os mundos possíveis e, quando pensa no futuro, registra apenas uma preocupação. "Eu sempre acreditei", disse ele, "que não importa quanta fama um homem tenha, ele deve viver uma vida simples."

Este é o ideal mais querido de Pelé: a vida simples - a vida em um apartamento bastante modesto, nem melhor nem pior do que as 35 outras unidades em um prédio azul pastel a uma quadra da praia de Santos; uma vida de pesca e caça no sertão, longe das multidões ou ouvindo discos em casa; uma vida de investimentos cautelosos, gastos moderados e dignidade silenciosa; uma vida, enfim, que deveria ser quase impossível para o atleta mais famoso do mundo.

Mas Pelé tornou isso possível. Quando começou a ganhar muito dinheiro, mandava todo o salário para casa, para os pais, e vivia com apenas uma parte de seus bônus. Ele dividia uma pensão com cinco outros jogadores e dirigia um Volkswagen sedan. Ultimamente, ele fez algumas concessões à sua posição. Comprou uma casa para os pais em um bairro badalado de Santos. Ele começou a investir dinheiro em negócios sob a direção de seu gerente pessoal, Jose Gonzalez Ozores, conhecido como Pepe Gordo. Ele até concordou, com relutância, em dirigir um Mercedes azul que lhe foi dado por um fervoroso torcedor do Santos.



A vida simples sobreviveu a esses pequenos ajustes, e em fevereiro passado também sobreviveu ao ajuste mais importante que Pelé fez. Ele se casou - da maneira mais simples que um ídolo de milhões poderia esperar fazer. Na verdade, tanto o namoro quanto o casamento são excelentes exemplos do estilo Pelé. Pelé e Rosemarie Cholby ficaram noivos secretamente por quase seis anos. Ele nunca a levou para sair em público, e ela nunca se aventurou em um estádio para vê-lo jogar. Segundo Pelé, isso era para manter a garota protegida de hordas de fãs e garotas ciumentas. De acordo com alguns amigos de Pelé, também foi planejado para tranquilizar o próprio Pelé; ele sempre temeu que as amigas o usassem para obter publicidade. Seis anos de sigilo deixaram bem claro que Rosemarie não estava procurando manchetes,

A reação foi rápida e previsível. Houve ranger de dentes em todo o país entre as donzelas brasileiras e análises generalizadas da vida amorosa de Pelé nas revistas de fãs. Os especialistas da sociedade se perguntaram sobre o protocolo envolvido neste casamento importante. Um prestativo cidadão santista sugeriu que a cerimônia fosse realizada no estádio da cidade para 35.000 lugares. Pelé, é claro, tinha ideias próprias. Houve uma cerimônia simples, na casa dos pais, seguida de uma recepção íntima, para a qual apenas um membro da equipe - seu melhor amigo Pepe - foi convidado. De alguma forma, a imprensa conseguiu dar a cobertura que parecia justificar - "o casal se olhou e sorriu seis vezes" -, mas ainda pode ser considerado um evento tão digno quanto Pelé poderia ter esperado. O feliz casal teve um bom começo para uma vida simples.



A lua de mel, uma turnê pela Europa, transcorreu com a mesma tranquilidade. Amigos de Santos e de Pelé pareciam estar em todos os lugares, ajudando o casal a evitar multidões enquanto desfrutava da hospitalidade de cada país. Como Rosemarie é branca, os recém-casados ​​podem ter encontrado alguma discriminação em um mundo menos perfeito que o de Pelé; mas eles não tinham esses problemas, e Pelé ainda acha difícil acreditar que os problemas realmente existem "Você não acha que um negro com uma esposa branca poderia ter tido alguns problemas em algumas partes da Europa se o nome do negro não fosse Pelé? " ele foi perguntado. 
"Eu não sei", disse ele, um pouco confuso. “Nunca pensei nisso. Nunca me deparei com nenhum tipo de problema racial. Aqui no Brasil dificilmente pensamos em raça. Eu sei que Cassius Clay [que, aliás, provavelmente ocupa o segundo lugar atrás de Pelé entre os atletas mais conhecidos do mundo] está sempre falando em lutar pela sua corrida. Eu não o criticaria, porque não conheço a situação de onde ele vem. Mas no Brasil ninguém pensa assim. Eu poderia lutar pelo meu país ou pelos meus amigos, mas não por uma cor. "



Raça, política e problemas mundiais não têm lugar na vida simples. Pelé doa para muitas instituições de caridade e tenta dar o máximo de atenção possível às crianças, mas deixa as decisões políticas e as teorias sociológicas para outros. Sua principal preocupação pessoal agora é quanto tempo ele pode passar com sua esposa, já que sua agenda o mantém viajando por cerca de quatro meses a cada ano. E suas abordagens mais próximas à formulação de políticas vêm em suas conferências com Pepe Gordo, no pequeno escritório com painéis de madeira compensada nos fundos da loja de material hidráulico que é o maior empreendimento de Pelé.

Pepe Gordo estava sentado à mesa quando visitantes chegaram recentemente ao escritório. Pelé estava ao seu lado direito, falando em um dos três telefones. Havia fotos de Pelé em cada parede, livros sobre Pelé na prateleira de cima de uma grande estante de pé. Pelé encerrou uma conversa e pegou outro telefone, parecendo ligeiramente impaciente. Ele estava em casa apenas três dias após uma viagem de um mês para Nova York e Cidade do México; naquela noite, às 10, ele teria que entrar no dormitório do time para "concentração" antes de um importante jogo da liga. Ele falou ao telefone que Pepe Gordo lhe entregou e assinou os papéis que Pepe Gordo empurrou à sua frente. Ele abordou tais funções sem o entusiasmo que mostra no campo de jogo. É claro que ele não está prestes a rivalizar com Arnold Palmer como um atleta-magnata. Tipicamente.

O assunto de sua renda foi levantado. Pepe Gordo ergueu os olhos da mesa e fez uma careta. "Temos algo em nosso país", disse ele solenemente, "conhecido como impostos. Eles são tão altos quanto os dos Estados Unidos e, por causa deles, não divulgamos números exatos." O que Pelé e seu empresário revelam, com relutância, é que Pelé ganha mais com patrocínios do que como jogador de futebol. Eles também revelam que ele trabalha sob um contrato de dois anos com amplos benefícios adicionais e cláusulas de bônus.

Pelé planeja continuar jogando por cerca de mais cinco anos, a menos que seja machucado antes disso por ação inimiga. Quando ele deixar o futebol, ele terá poucas preocupações, mas Pelé realmente não parece estar ansioso por esse dia. Quando mencionou desistir, inclinou-se para a frente em uma cadeira de couro vermelho em seu escritório e parou de sorrir. Pela primeira vez, ficou claro que a cabeça de Pelé repousa um pouco inquieta sob a coroa.

"Eu sei que tudo isso tem que acabar algum dia", disse ele calmamente. "Nem sempre terei toda essa fama. Mas quando terminar como jogador, ainda serei um homem. Sei que estarei bem nos negócios e nas coisas materiais, e espero que ainda assim tenho todos esses amigos ao meu redor. Mas, é claro, você não pode dizer. Acho que é quando separarei meus amigos verdadeiros dos meus fãs. "

Ele sorriu com sua própria formulação de frases, mas não parecia estar ansioso para iniciar a separação. A sua supremacia foi recentemente contestada pelo português Eusébio, herói do Mundial, e sem dúvida será contestada por outros em breve. Pelé sabe que um dia, talvez enquanto estiver contundido, um dos desafios terá sucesso e o futebol será dominado por outra pessoa. E, apesar dos comentários ocasionais sobre "consequências" e aborrecimentos, Pelé gosta do topo e quer ficar lá. 
"Desde que comecei a jogar", disse ele, "sempre vi a sombra de alguém atrás de mim, tentando me tirar da minha posição. Mesmo quando eles começaram a dizer que eu era o rei, não me senti completamente seguro. Eu ainda vejo aquela sombra atrás de mim agora. Eu sei que ela está lá, e eu sei, o tempo todo.

SPORTS ILLUSTRATED, 24/10/1966, Página 77👉 AQUI
SPORTS ILLUSTRATED, 24/10/1966, Revista Completa👉AQUI
Para quem sabe ler em inglês, a reportagem em PDF 👉AQUI


Template - Dicas para Blogs